Foco da Avaliação

A avaliação dos manuscritos submetidos à Revista Brasileira de Psicologia deve ter como foco as dimensões teórica e metodológica. Assim, deve ser avaliado se o manuscrito apresenta conceitos bem definidos e articulados com o quadro teórico e se apresenta revisão de literatura apropriada à temática e à categoria do manuscrito. Além disso, as hipóteses, caso o manuscrito possua, e os objetivos devem ser bem delineados. Segundo a perspectiva metodológica, somente aplicada aos relatos de pesquisas e artigos de revisão, os dados devem apresentar local, participantes, instrumentos, procedimentos de coleta de dados, processamento e análise de dados e considerações éticas. O método deve ser adequado ao estudo dos objetivos e/ou hipóteses propostas pelo manuscrito.

Redação e Estilo

A redação e o estilo não são o foco mais importante nesta etapa da avaliação, visto que outras edições e revisões serão realizadas para a publicação do manuscrito. Dessa forma, os pareceristas devem apenas informar se os manuscritos atendem aos requisitos de uma comunicação clara, concisa e coesa.

Formulário de avaliação dos manuscritos

De forma a auxiliar e acelerar o processo de avaliação dos manuscritos, os pareceristas devem responder ao formulário de avaliação. Nesse formulário, serão apresentadas questões sobre a estrutura e conteúdo de cada seção. Os pareceristas deverão responder se o manuscrito atende aos critérios apresentados em cada questão. Além disso, sugestões, discussões e questionamentos pontuais podem ser acrescentadas ao formulário nas seções específicas e/ou ao final do formulário. As eventuais transcrições de trechos dos manuscritos devem ser apresentadas com os respectivos comentários e com indicação dos parágrafos e números de páginas.

Recusa de Trabalhos

Aqueles manuscritos que não possuem os requisitos mínimos para publicação devem ter indicada a sua rejeição. Abaixo são apresentados alguns critérios que justificam a recusa de um manuscrito:

  1. Não contribuir teórica ou metodologicamente ou não promover um avanço no conhecimento na área.
  2. Falta de clareza ou de articulação adequada nas sessões de revisão de literatura, método e/ou resultados.
  3. Não atender satisfatoriamente às sugestões apresentadas pelos pareceristas ao longo do processo de avaliação.
  4. Não apresentar justificativas adequadas para o não atendimento das sugestões apresentadas.